Jorge Mota Pereira

Médico Psiquiatra
Doutorado em Psicologia

  

Contacto

Email:
Assunto:
Mensagem:

Rastreio da Depressão

Realize aqui o rastreio da depressão!

 

Versão Windows

 

 

Notícias relacionadas com Dr. Jorge Mota Pereira

Caminhar ajuda a combater a depressão

Caminhar ajuda a combater a depressão

Caminhar ajuda a combater a depressão
Uma simples caminhada pode ter um papel importante no combate à depressão, revela um estudo das universidades britânicas de Stirling e Edinburgh, divulgado esta semana na revista Mental Health and Physical Activity.

Embora os benefícios do exercício físico intenso - para a saúde mental e física - estejam amplamente difundidos, os efeitos de atividades físicas simples como caminhar ainda não estavam devidamente analisados. Por isso, a equipa avançou com este estudo que confirma os benefícios mentais de atividades tão simples como uma caminhada.

Para chegar a esta conclusão, os investigadores analisaram e interpretaram dados de oito pesquisas que estudaram o impacto da prática da caminhada num total de 341 pacientes.

"Descobrimos que caminhar tem um impacto significativo nos sintomas da depressão e que pode ser tão eficaz como outro tipo de atividade física", afirma em comunicado uma das investigadoras que liderou a pesquisa, Roma Robertson, da Universidade de Stirling.

Comparando com outro tipo de desporto, a caminhada tem a vantagem de poder ser praticada pela maioria das pessoas, de não ter custos monetários, e de ser facilmente incorporada na rotina diária.

Os investigadores admitem, no entanto, que será necessário fazer mais estudos sobre o assunto para perceber, por exemplo, com que frequência a caminhada deve ser realizada para ter os melhores resultados.

Estudo português tratou doentes depressivos com exercício

Estes dados vêm confirmar os resultados alcançados por um estudo pioneiro realizado, no ano passado, pelo Hospital Magalhães Lemos, a Faculdade de Desporto da Universidade do Porto e a Universidade do Minho, segundo o qual o exercício físico é um importante aliado da medicação no que toca ao tratamento da depressão.

O projeto, coordenado pelo psiquiatra Jorge Mota Pereira, quis provar que o exercício físico liberta "substâncias químicas cerebrais idênticas às dos medicamentos" usados no tratamento da depressão, nomeadamente serotonina, noradrenalina e dopamina.

Dos 33 doentes envolvidos neste estudo, com depressão moderada a grave, 26% atingiram a remissão e 21% registaram melhorias significativas com apenas 45 minutos de caminhada por dia.

Clique AQUI para consultar o comunicado da Universidade de Stirling.

Current Psychopharmacology

Agora disponível on-line abstract da mais recente publcação científica que submetemos ao "Current Psychopharmacology" com o título: "Physical Exercise and Major Depressive Disorder - Where Do We Stand?"

 


Bentham Science Publishers
www.benthamdirect.org
Volume 1 Issue 2 ISSN: 2211-5560

Amarante Running Team

 

Caminhar e correr contra a depressão.Excelente iniciativa da "Amarante Running Team".

Muito grato pelo elogio! Parabéns pela página! Boas corridas!!

 


Cada vez mais estudos estão comprovando que o exercício físico  provoca alterações significativas no cérebro, entre elas a produção de novos neurónios, com efeitos comprovados para depressão similares aos de medicamentos de última geração.
A jornalista americana Daniele eisse( ttp://www.washingtonpost.com ), contou  num relato ao jornal como a corrida a livrou da depressão depois de tomar muitos remédios e de fazer terapias que não deram certo.“
Eu nem sei dizer ao certo quando os pensamentos sombrios começaram a tomar conta da minha vida. Mas eu me lembro, quando tinha apenas 6 anos, que chorava todos os dias. Eu não dormia à noite. E quando dormia, eu tinha pesadelos.
Eu até parei de comer”, escreveu a jornalista. Ela contou que diversos tratamentos desde a infância vinham sendo usados, mas sem sucesso. “Em meados de 70, o pediatra tentou tratar-me com analgésicos. Um pouco mais tarde, tentei a terapia”.Cansada de tantos remédios e terapias que não acabavam com sua depressão, Daniele, já na casa dos 20 anos, resolveu fazer longas caminhadas, de 40 kms. 
O efeito foi imediato. Aos poucos ela começou a correr e, hoje, é maratonista. 
Ela contou que quando precisava interromper as actividades físicas por algum motivo a depressão voltava.Os especialistas dizem que o exercício intenso induz a produção de hormônios como a endorfina e a prolactina, que exercem a função de calmantes naturais no cérebro, reduzindo a resposta ao stress. Isso faz com que as pessoas que se exercitam regularmente se sintam mais relaxadas e menos ansiosas. "
Tambem entre nós estudos recentes reforçam esta ideia ,o conceituado medico Jorge Pereira(http://venceradepressao.com) foi recentemente premiado devido a um método inovador no combate á depressão e em que a prática da actividade fisica tambem está presente. Pessoalmente posso atestar que é mesmo assim , pois para alem de o conhecer pessoalmente tenho exemplos de resultados muito positivos.Boas corridas e até para a semana.

 

Comunicação Oral relacionada com a forma de melhor tratar as depressões

Comunicação Oral relacionada com a forma de melhor tratar as depressões indo ao encontro das expectativas dos médicos de família: bom diagnóstico,bom tratamento e boa adesão terapêutica por parte dos doentes. XXIII Jornadas de Actualização Cardiológica do Norte para Medicina Geral e Familiar.Porto.